Pesquisando...
sábado, 19 de outubro de 2013



A evolução do Alpha Bravo Super tem capacidade para duas pessoas e é fabricado em composite, com as estruturas principais em fibra de carbono e vidro, hélice de três pás (ajustável no solo), painel com opcionais para telas digitais, trem de pouso em alumínio 2024-T3, asa de perfil laminar, sistema de flap com acionamento elétrico, compensador elétrico e pré-disposição a paraquedas balístico. O modelo abarca 110 litros de combustível, autonomia de 5 horas (20 litros/hora) e bagageiro para 25 kg de carga (sem alterar o centro de gravidade), com iluminação interna feita por LEDs e acesso externo.
Enquanto a aviação executiva anota crescimentos maiores que o PIB nacional, a indústria aeronáutica brasileira parece também decolar no mundo dos ultraleves avançados. O setor ganhou destaque nesta semana com a confirmação de que a ABS Indústria de Aeronaves, em parceria com a Alpha Bravo Escola de Aviação, estarão inaugurando, dentro de 40 dias, sua nova sede em Apucarana, no Paraná, ocupando os hangares do Aeroporto João Busse.

Natural do Rio de Janeiro e atuando há mais de 15 anos no mercado, a sociedade ABS-AB chegou a avaliar outras várias cidades paranaenses, mas acabou elegendo Apucarana por fazer divisa com os estados que mais compram aeronaves leves no Brasil – São Paulo e Mato Grosso do Sul. O diretor de comercialização da empresa, Milton Hossaka, justificou a empreitada declarando que, na capital carioca, não havia mais espaço para ampliar sua linha de produção. 

“Agora teremos uma pista com 1500m X 30m e estamos montando uma estrutura com oficinas, escola e fábrica”, afirmou Durval Farias, proprietário da ABS, em entrevista ao Portal do Aviador. O prefeito de Apucarana, Beto Preto, ainda estima que a empreitada deva gerar, inicialmente, 60 empregos diretos – cifra que poderá crescer expressivamente junto ao desenvolvimento do mercado sul-americano.

Para os que desejam sobrevoar a exuberante costa brasileira, repleta de rios, mares e lagos, o AB Super Anfíbio é um projeto que agrega avionics e opcionais de alta tecnologia. Tem capacidade para duas pessoas e é fabricado em composite, com as estruturas principais em fibra de carbono e vidro, flutuadores em alumínio 2024-T3, hélice de três pás (ajustável no solo), asa de perfil laminar, sistema de flap com acionamento elétrico, compensador elétrico e pré-disposição a paraquedas balístico. O modelo abarca 110 litros de combustível, autonomia de 5 horas (20 litros/hora) e bagageiro para 30 kg de carga (sem alterar o centro de gravidade), iluminação interna feita por LEDs e acesso externo.
O contrato entre a prefeitura e a ABS prevê a concessão de 15 mil metros de áreas dentro do aeroporto, incluindo alguns espaços fora do aeródromo. Com investimento inicial de R$ 6 milhões e capacidade para produzir entre cinco e seis aviões por mês, Farias se mostra otimista e aposta na parceria com o município para movimentar ainda mais os negócios. “O aeroporto é incrível e a região tem um grande número de empresários habituados a utilizar o transporte aéreo para visitação de fazendas e transporte de cargas”.

Expansão e modernização

Com quase duas décadas no segmento de ultraleves avançados, a ABS Indústria Aeronáutica vem modernizando seus protótipos e recentemente anunciou a nova geração das duas aeronaves de seu portfólio, a Alpha Bravo Super e a Alpha Bravo Super Anfíbio – esta última popularizada pela novela Flor do Caribe, exibida recentemente pela Rede Globo.  

As evoluções anunciam pinceladas no design, emprego de materiais mais leves e compostos que propiciam um aumento da resistência a fatores estruturais. “Começamos a mudar os aviões em todo projeto, desde o visual, o centro de carga, espaço interno, comprimento de asas, altura do painel, entre outros aprimoramentos”, observou Farias. No caso do Super Anfíbio, o empresário-aviador guarda uma relação bem mais intimista. “Amava esquiar em Angra, sentir a água. O Anfíbio é meu grande sonho de infância, é totalmente ABS, única a fabricar no Brasil, já em “composite”, pronto pra dormir no mar”, concluiu.

Escolas e Oficinas
Na divisão de negócios de Aeronáutica, a ABS Indústria de Aeronaves mantém a Escola de Aviação Alpha Bravo, localizada no Clube CEU, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro. Homologada pela Anac, a escola traz, como principal missão, a formação de pilotos aerodesportivos para ultraveles avançados. As aulas e workshops começam num prazo de 30 dias e contam com mecânicos homologados pela Rotax, com mais de 15 anos de experiência. Traz simulador para treinamento check e re-check para IFR. Também cursos acrobáticos, fonia em inglês e português, defensivos, voo em Alas e cursos normais de CPD, PP e PPH. A escola abre filial em Apucarana, mas mantém sua sede no Rio de Janeiro.

0 comentários:

Postar um comentário